logo_anba_pt logo_camera_pt
16/11/2016 - 18:33hs
Compartilhe:

Empresários apoiam implementação do acordo do clima

Entidades empresariais de 34 países assinaram a Declaração de Marrakech, em que apoiam a entrada em vigor do Acordo de Paris e sugerem medidas. Câmara Árabe é uma das signatárias.



São Paulo – Entidades empresariais de 34 países assinaram nesta quarta-feira (16) a Declaração de Marrakech, em que apoiam o Acordo de Paris e sugerem políticas para sua implementação. A colocação em prática do tratado firmado no ano passado e que acaba de entrar em vigor é o principal tema da COP 22, conferência da ONU sobre mudanças climáticas que ocorre esta semana na cidade histórica marroquina.

A Declaração de Marrakech foi firmada em evento paralelo à COP 22 organizado pela Confederação Geral das Empresas do Marrocos (CGEM). O diretor-geral da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Michel Alaby, é um dos signatários. Ele integra a delegação brasileira que participa da conferência.

Segundo Alaby, além do Brasil, assinaram o documento representantes de instituições dos Estados Unidos, União Europeia, Japão, Canadá, Portugal, Dinamarca, Suécia, Senegal, Costa do Marfim, Marrocos, Nigéria, Argélia, Tunísia, Uganda, África do Sul, entre outros países.

O documento diz que o setor privado está colocando a questão climática no centro de suas estratégias de negócios, em concordância com o Acordo de Paris. O tratado traz metas de redução da emissão de gases causadores do efeito estufa. O Brasil, por exemplo, se comprometeu em reduzir suas emissões em 37% até 2025 e em 40% até 2030, com base no patamar de 2005.

O texto diz também que o setor privado “está determinado” a “antecipar o efeitos e consequências das mudanças climáticas na estrutura e operação das companhias e a fornecer soluções” e a “identificar as várias oportunidades de negócios relacionadas aos novos mercados verdes”.

Nesse sentido, a declaração sugere aumentar o engajamento de governos e empresas no fortalecimento do Acordo de Paris, apoiar os países no cumprimento de suas metas, fomentar a cooperação Norte-Sul e Sul-Sul para difusão de tecnologias climáticas, formular políticas climáticas de peso, diversificar financiamentos e investimentos públicos e privados, entre outras ações.

Alaby recomendou, porém, que as medidas a serem adotadas não devem travar o comércio entre os países e nem servir de justificativa para medidas protecionistas. O documento será entregue nesta quinta-feira (17) aos organizadores da COP 22.

Impostos

Na terça-feira (15), Alaby acompanhou reunião do ministro brasileiro da Agricultura, Blairo Maggi, com seu homólogo marroquino, Aziz Akhannouch. O próprio executivo da Câmara Árabe disse ao ministro marroquino que a carne bovina brasileira paga 200% de Imposto de Importação para entrar no Marrocos, e a de frango, 100%, ao passo que os mesmos produtos importados da União Europeia pagam 20%.

Segundo Alaby, o ministro ficou de estudar o assunto e disse que vai sugerir ao Ministério do Exército que compre carnes do Brasil. Há isenção de impostos nas importações pelas forças armadas.

Enviar por E-mail:





Comentários

Seu comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.





imagem_form