logo_anba_pt logo_camera_pt
22/02/2017 - 17:00hs
Compartilhe:

Vida no Antigo Egito é tema de curso

De 04 de março a 24 de junho, a historiadora Cintia Gama apresenta o curso ‘Civilização Egípcia Antiga e sua Cultura’, em São Paulo. Temas como arquitetura, religião e vida cotidiana fazem parte das aulas.



Divulgação

Gama é doutora em religião egípcia antiga

São Paulo – O curso Civilização Egípcia Antiga e sua Cultura traz temas como arquitetura, religião, vida cotidiana e alimentação. As aulas ocorrem na capital paulista de 04 de março a 24 de junho. Ministrado pela historiadora Cintia Gama, o curso é promovido pela Fundação Ema Klabin.

“Vamos falar de vários aspectos da religião, como a religião do cotidiano e a religião funerária, depois da morte; a arquitetura sagrada e a arquitetura do cotidiano, até chegar aos dias de hoje, falando sobre as peças que foram parar nos museus”, conta Gama. Além de historiadora, ela é mestre em Arqueologia, doutora em Religião Egípcia Antiga pela École Pratique des Hautes Études da Sorbonne e ex-conselheira científica no Departamento de Antiguidades Egípcias do Museu do Louvre, em Paris.

Gama destaca que, no Brasil, há um importante acervo de peças do Egito Antigo que podem ser vistas no Rio de Janeiro, na Fundação Eva Klabin, que pertence à irmã de Ema. A fundação carioca, ela conta, tem 49 peças, entre estatuetas funerárias, estátuas de deuses, vasos e cabeças de estátuas, entre outros artefatos.

Gama diz que, atualmente, há uma valorização muito grande da religião no Antigo Egito. Ela explica, porém, que as peças voltadas ao sagrado, naquela época assim como atualmente, foram feitas para durar, enquanto o que é feito para o cotidiano leva material de menor durabilidade. “As coisas de uso cotidiano se perdem com o tempo. Por isso, sobraram mais coisas do sagrado, do religioso”, diz.

Outra curiosidade sobre o Antigo Egito é que as pirâmides não foram construídas por escravos, mas por trabalhadores contratados. Segundo Gama, muitos trabalhadores que viviam longe das regiões centrais migravam de tempos em tempos para conhecer novas regiões do país e ficarem mais perto dos governantes. Eram estes trabalhadores que atuavam nas construções dos templos.

Ela lembra ainda que a construção das pirâmides do Egito se deu no Antigo Império. “No Novo Império, os sepultamentos eram debaixo da terra”, diz. Outro detalhe interessante sobre o Egito é que, apesar de ser famoso por suas pirâmides, ele não é o país com maior número deste tipo de construção. “O Sudão tem mais pirâmides que o Egito”, aponta a historiadora.

Quem quiser saber mais sobre as histórias do Antigo Egito pode conferir a programação do curso e fazer a inscrição pelo site http://emaklabin.org.br/civilizacao-egipcia-antiga-e-sua-cultura/.

Serviço

Curso Civilização Egípcia Antiga e sua Cultura
De 04 de março a 24 de junho
Local: Fundação Ema Klabin
Rua Portugal, 43, Jardim Europa, São Paulo
Tel.: (11) 3897-3232
Preço: R$ 410,00

Enviar por E-mail:





Comentários

Seu comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.





imagem_form