logo_anba_pt logo_camera_pt
25/09/2017 - 12:41hs
Compartilhe:

Emirados reduzem exportação de petróleo

De acordo com ministro da Energia do país árabe, vendas internacionais da commodity foram reduzidas em 10% nos últimos dois meses, como parte de acordo da Opep.



Giuseppe Cacace/AFP

Mazroui: nova reunião em novembro

São Paulo – Os Emirados Árabes Unidos reduziram em 10% as exportações de petróleo nos últimos dois meses, seguindo acerto com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), de acordo com informações dadas à imprensa nesta segunda-feira (25) pelo ministro de Energia do país, Suhail Al Mazroui. 

"A conformidade dos Emirados Árabes Unidos é de 100% e anunciamos cortes a cada mês. Como uma garantia extra, notificamos clientes e mercados ", disse Al Mazroui em Abu Dhabi, a respeito do acordo. Os Emirados exportam cerca de 2,7 milhões de barris de petróleo por dia, de acordo com o ministro.

Em dezembro do ano passado, a organização e outros países produtores como Rússia e México fecharam acordo para reduzir a produção global em 1,8 milhão de barris por dia e eliminar o excesso da commodity no mercado, que vinha causando redução de preços. O acordo durou seis meses e foi prorrogado até março de 2018.

Segundo o ministro Mazroui, uma nova prorrogação deve ser discutida em reunião ministerial da Opep em Viena, na Áustria, em novembro. No encontro será decidido se o acerto será novamente prorrogado ou se outros países serão incluídos nele. Alguns membros da Opep, como Líbia e Nigéria, ficaram isentos do acordo.

Mazroui afirmou que os Emirados estão em total conformidade com o corte global e esperam melhorias no mercado de petróleo neste e no próximo ano. Os preços do petróleo Brent chegaram a atingir nesta segunda-feira a máxima de sete meses, com cotação de US$ 57,7. Na sexta-feira (22), ele fechou a US$ 56,8, com alta de quase US$ 10 sobre o preço do mesmo período do ano passado: US$ 47,6.

Apesar da alta, os valores do petróleo ainda estão bem abaixo dos praticados do começo de 2014, quando ultrapassavam US$ 100 o barril. A redução drástica do preço trouxe redução de receitas e problemas de orçamento para os países produtores.

Enviar por E-mail:





Comentários

Seu comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.





imagem_form