logo_anba_pt logo_camera_pt
24/10/2017 - 14:42hs
Compartilhe:

Empresa é organismo vivo, diz educador

Carlos Soares de Carvalho conduziu workshop para empresários na Câmara Árabe, no qual falou que líderes da nova economia devem ver empresas como um todo, com corpo, mente e alma.



Isaura Daniel/ANBA

Carvalho: líder é gestor de percepções

São Paulo – Lucratividade, processos, produtos, serviços, estrutura física. Todos esses elementos compõem uma empresa, mas são apenas uma parte dela. Um workshop promovido pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira nesta terça-feira (24), na capital paulista, deu uma visão diferente sobre como devem ser as companhias e os seus líderes na nova economia.

O encontro foi conduzido por Carlos Soares de Carvalho, um dos sócios da empresa de educação empresarial Metanoia. De acordo com Carvalho, as companhias são formadas por corpo – a parte descrita acima - mas também possuem mente e alma. “Damos pouca atenção para quem faz o resultado da empresa: o cliente e as pessoas que fazem o trabalho”, disse.

A Metanoia, que também é uma filosofia e quer dizer mudança de pensamento, propõe a modificação do modelo mental dos líderes, para que enxerguem a empresa sob esses três aspectos e busquem o equilíbrio entre eles. Além de olhar para o corpo, que é a riqueza, devem levar em conta os sujeitos que fazem parte dela, como a equipe e os clientes.

Isaura Daniel/ANBA

Workshop teve reflexões grupais

“Na velha economia se fala muito de produto, os empresários ficam pensando muito em oferta, mas sem conversar com a demanda”, disse Carvalho, sobre o esforço dispensado para conhecer os atributos do produto e o pouco tempo voltado para o cliente. Segundo o educador, o grande desafio na nova economia é conhecer “o sujeito que está do lado de lá”.

Para a Metanoia, os caminhos da empresa estão muito ligados ao comportamento do líder, que deve ser um gestor de percepções dentro dela. “Se nosso modelo mental é de escassez e sobrevivência, vamos viver a escassez e a sobrevivência”, disse Carvalho. De acordo com ele, o grande líder da nova economia será o que mais conhecer a natureza humana.

Carvalho afirma que o líder deve ser um gerente, um empreendedor e um gestor. O gerente pensará em produtividade e eficiência. O empreendedor lerá as linhas e entrelinhas do mercado, trabalhará com imaginação e intuição, tratará o cliente como parceiro e se envolverá emocionalmente com ele. O gestor entenderá que os resultados são provenientes de pessoas, de equipe comprometida e cliente fidelizado. “Por isso ele abre espaço para as pessoas”, afirma.

Isaura Daniel/ANBA

Hannun (dir.) deu presente a Carvalho (esq.)

De acordo com Carvalho, nessa confluência se cria uma empresa ética, humana e próspera, se cria uma empresa de corpo, mente e alma. O papel dos líderes é instalar uma cultura no negócio, prega o educador. Segundo ele, as empresas precisam de uma filosofia, uma estratégia e um método e é isso que forma a cultura de cada uma delas.

De acordo com Carvalho, as empresas estão doentes, com ausência de propósito e significado, e isso ele relaciona ao fato de as pessoas não conseguirem entender o trabalho como uma jornada, um propósito de vida. “Todo mundo mantém com o trabalho uma relação de extrair, via de regra a gente troca o nosso tempo por uma remuneração no final do mês. As pessoas não encaram o trabalho como uma viagem, como uma viagem que poderia ter um propósito.”

Workshop

O workshop durou cerca de duas horas e foi uma síntese de um dos programas que a empresa Metanoia aplica, o Meta Gestão, de um dia e meio. A empresa leva para líderes de companhias ainda dois outros programas, o Meta Riqueza, que dura nove meses e faz o acompanhamento dos gestores nesse período, e o Limiar, focado no equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Isaura Daniel/ANBA

Rizkallah deu ideia do workshop

O workshop foi acompanhado por empresários e lideranças da Câmara Árabe. Luiz Carlos Martins, proprietário da Lupetec, que trabalha com equipamentos para laboratórios de anatomia patológica, foi um dos participantes. “É importante para fazer uma análise de onde estamos nos enquadrando e onde estamos falhando para tentar melhorar”, disse ele.

Juan Musso, consultor de compliance da empresa Pro Result, de gerenciamento de projetos, disse que as recomendações dadas no workshop são importantes para tornar as empresas mais eficientes. O diretor da Câmara Árabe, Willian Atui, destacou a abordagem de Carvalho sobre o envolvimento emocional que empresas e líderes devem ter com os clientes. “Isso é fundamental nos negócios com os árabes”, disse.

A promoção de um workshop sobre esse tema foi ideia do diretor da Câmara Árabe, Mário Rizkallah, e ele lembra que é parte do propósito da entidade ter encontros voltados ao tema de gestão, além de comércio exterior. “Para sair da rotina, abrir a cabeça, questionar um pouco o que se está fazendo”, disse ele à ANBA após a palestra.

O presidente da Câmara Árabe, Rubens Hannun, presente no evento, disse que por ter participação da entidade e de seus associados, já houve no evento um contato entre a Câmara Árabe e seus clientes, que é o que a Metanoia propõe. “É um dos papeis da Câmara Árabe, trazer essa reflexão sobre liderança e gestão, esse entendimento da empresa como um ser vivo”, disse.

Enviar por E-mail:





Comentários

Seu comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.





imagem_form