logo_anba_pt logo_camera_pt
01/12/2017 - 12:00hs
Compartilhe:

Valor de pequenas empresas deve mais que dobrar no Golfo

Estudo aponta que companhias de pequeno e médio porte do Golfo passarão de um valor de US$ 360 bilhões para US$ 920 bilhões em cinco anos. Arábia Saudita e Emirados incentivam esses empreendimentos.



São Paulo – O valor das pequenas e médias empresas (PMEs) dos países do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) deve crescer 156% em cinco anos, passando dos US$ 360 bilhões atuais para US$ 920 bilhões em 2022. A projeção foi feita a partir de estudo da Mena Research Partners (MRP), empresa de consultoria e pesquisa voltada para Oriente Médio e Norte da África.

“A maior parte do crescimento deve vir de regiões como Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, que estão dando alta prioridade às PMEs em seus novos regulamentos, políticas e iniciativas, com o objetivo de aumentar a participação destas empresas na economia nacional”, disse o diretor executivo da MRP, Anthony Hobeika, em reportagem do Gulf News.

Ele citou como exemplo a Visão 2030 da Arábia Saudita, plano de desenvolvimento do país para os próximos 12 anos, que tem como meta fazer a contribuição das pequenas e médias empresas passarem de 20% para 35% do Produto Interno Bruto (PIB). Também os Emirados Árabes Unidos têm seu plano de crescimento até o ano de 2021 e pretendem elevar a participação das PMEs na economia não petrolífera de 60% para 70% até lá, segundo Hobeika.

De acordo com a pesquisa, as pequenas e médias empresas são o motor de criação de empregos no GCC. As estimativas indicam que essas companhias empregam 17 milhões de pessoas, mas têm potencial para chegar a 22 milhões de empregados em cinco anos. “Um aumento de 30%, o equivalente a 55% da população economicamente ativa total”, disse Hobeika.

De acordo com o diretor executivo, as empresas de capital de risco têm representado uma importante fonte de investimetnos para as PMEs e os empreendedores no Golfo, com US$ 1 bilhão destinado a eles nos últimos cinco anos. Segundo Hobeika, esse financiamento supre a lacuna criada por bancos regionais e pelo mercado de capital, que não atendem toda a demanda do segmento.

O relatório indica que os bancos destinam apenas 2% dos seus empréstimos a pequenas e médias empresas no Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), frente a um percentual de 13% na região do Oriente Médio e Norte da África como um todo. O diretor executivo da MRP frisa, porém, que os governos locais estão adotando iniciativas para criar e promover o ecossistema de negócios das PMEs.

Enviar por E-mail:





Comentários

Seu comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.





imagem_form