Novo acordo de investimento entre os países árabes

Na abertura do Fórum Econômico Brasil & Países Árabes, falando em nome da Liga dos Estados Árabes, Hossam Zaki convidou os brasileiros a estudarem as oportunidades de investimento nos países árabes.

Omar Assi
omar.assi@anba.com.br

São Paulo – A Liga dos Estados Árabes pretende lançar um novo acordo entre os países árabes para melhorar o clima de investimentos, facilitar a movimentação de capitais e de empresários na região, oferecer mais oportunidades de trabalho e controlar os índices de desemprego.

O secretário-geral adjunto da Liga, Hossam Zaki (foto acima), pediu ao Brasil que estude as oportunidades de investimentos disponíveis nos países árabes para se beneficiar dos incentivos oferecidos a estrangeiros, transformar o mero intercâmbio comercial em investimentos reais e fortalecer os laços entre os países.

Zaki falou na na abertura do Fórum Econômico Brasil & Países Árabes e elogiou o papel desempenhado pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira na aproximação entre os países árabes e o Brasil, transmitindo as felicitações do secretário-geral da Liga dos Estados Árabes, Ahmed Aboul Gheit, à instituição por ocasião do seu 70º aniversário.

Zaki sublinhou que a crise que a economia global atravessa impõe a todos os países diferentes formas de lidar com o cenário, uma vez que o desemprego, a inflação e a dívida pública atingiram níveis sem precedentes, além da questão das alterações climáticas. Ele disse que todas essas crises demandam concertação, esforços, aliança e cooperação entre os países.

O secretário-geral adjunto ressaltou que os países árabes têm tomado muitas medidas para estimular os investimentos e atrair investidores estrangeiros e que eles pedem às empresas e ao governo brasileiro que estudem esses mercados e suas oportunidades para alcançar a integração econômica.

Zaki ressaltou que a política e a economia são duas faces da mesma moeda, e que o volume do intercâmbio comercial entre o Brasil e os países árabes, que foi de US$ 24,3 bilhões no ano passado, indica a proximidade entre os dois lados, especialmente porque esses números atingem anualmente boas taxas de crescimento.

Por uma rota direta

Nass defendeu criação de linha marítima direta

Em sua participação na abertura do Fórum Econômico Brasil & Países Árabes, o vice-presidente da União das Câmaras Árabes e presidente da Câmara de Comércio e Indústria do Bahrein, Samir Nass, pediu a agilização no estabelecimento de uma linha de navegação direta entre os países árabes e o Brasil a fim de facilitar a circulação do comércio e dos investimentos entre os dois lados.

Segundo ele, uma rota direta terá papel fundamental para superar obstáculos que impedem o desenvolvimento das relações econômicas, especialmente diante do aumento significativo dos custos de transporte e do seu impacto nos preços do produto final. A linha será importante, segundo ele, para desenvolver as relações comerciais não só com o Brasil, mas com a América Latina em geral.

Nass disse que se tratava de uma grande honra participar do evento por se tratar da comemoração dos 70 anos da Câmara de Comércio Árabe Brasileira e ressaltou que a instituição exerceu um grande papel nos últimos anos para fazer avançar a relação econômica e comercial entre o Brasil e os países árabes, além de aproximar as capacidades de investimento produtivo entre ambos.

Na qualidade de presidente da Câmara de Comércio e Indústria do Bahrein, Nass disse que as relações econômicas do seu país com o Brasil evoluíram significativamente nos últimos anos e que o Brasil tomou a primeira posição como fornecedor do Bahrein no ano passado, no lugar da China.

Apoio para a aproximação

Khalawi: apoio aos esforços da Câmara Árabe

O secretário-geral das Câmaras de Comércio, Indústria e Agricultura Islâmicas, Youssef Hassan Khalawi, anunciou o compromisso da sua instituição de apoiar os esforços da Câmara de Comércio Árabe Brasileira para aproximar os povos árabe e brasileiro. Ele elogiou a escolha do tema do fórum, Legado e Inovação, porque indica a profundidade e o progresso das relações Brasil-países árabes desde o início.

O secretário-geral das Câmaras Islâmicas destacou a necessidade de aproveitar a experiência única do Brasil de investir em recursos naturais, que o tornou um verdadeiro modelo de inovação, apontando as oportunidades disponíveis para construir pontes de inovação entre o Brasil e o mundo árabe, para alcançar uma comunicação construtiva entre ambas as partes.

Economia da Palestina

Ministro palestino falou sobre economia

O ministro da Economia Nacional da Palestina, Khalid Al-Esseily, contou na abertura do fórum, da qual participou de forma online, que foram tomadas no seu país muitas medidas para melhorar o ambiente de negócios, além de fornecer incentivos para atrair investimentos estrangeiros e incentivar o comércio eletrônico.

Ele contou dos esforços pelo acordo de livre comércio com o Mercosul e relatou que a Palestina tem muitos produtos a oferecer, como plásticos, roupas e têxteis, além de artesanatos que trazem o conceito de produtos patrimoniais e fazem referência à história e à luta palestina.

Esseily disse que a Palestina aprovou recentemente lei que incentiva o investimento estrangeiro e que está sendo elaborada legislação para regular o comércio eletrônico, além da ampliação das regras que regem o investimento em energia e transformação digital, e o estabelecimento de armazéns para garantir as necessidades alimentares do país.

O Fórum Econômico Brasil & Países Árabes é realizado pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira em parceria com a União das Câmaras Árabes e apoio da Liga dos Estados Árabes, e patrocínio da Travel Plus, Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), Fambras Halal, Embraer, Parque Tecnológico Itaipu, Pantanal Trading, Embratur, Khalifa Industrial Zone Abu Dhabi  (Kizad), Cdial Halal, Modern Living, BRF, Egyzone/AM Development, Antika/Openet BV, First Abu Dhabi Bank, Egyptian Financial & Industrial Co. (EFIC), Suez Company for Fertilizers Production (SCFP), Cooperativa Agropecuária de Boa Esperança (Capebe), Prima Foods e Afrinvest.

*Traduzido do árabe por Ahmed El Nagari

Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe
Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe
Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe
Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe

Publicações relacionadas