Miguel Jorge prev√™ saldo comercial de at√© US$ 16 bilh√Ķes

O ministro do Desenvolvimento, Ind√ļstria e Com√©rcio Exterior afirmou que o super√°vit da balan√ßa comercial brasileira dever√° ficar entre US$ 15 bilh√Ķes e US$ 16 bilh√Ķes este ano.

Agência Brasil
pauta@ebc.com.br

S√£o Paulo ‚Äď A balan√ßa comercial brasileira poder√° ter, este ano, um super√°vit entre US$ 15 bilh√Ķes e US$ 16 bilh√Ķes. A previs√£o √© do ministro do Desenvolvimento, Ind√ļstria e Com√©rcio Exterior, Miguel Jorge. ‚ÄúEmbora a Secex (Secretaria de Com√©rcio Exterior) n√£o fa√ßa previs√£o de super√°vit na balan√ßa comercial, eu vou fazer: teremos entre US$ 15 bilh√Ķes e 16 bilh√Ķes, o que √© excelente em rela√ß√£o ao que fizemos num ano imediatamente posterior √† grande crise‚ÄĚ, disse hoje (27), em S√£o Paulo.

De janeiro at√© a semana passada, o saldo acumulado foi de US$ 14,463 bilh√Ķes, resultado de exporta√ß√Ķes de US$ US$ 158,779 bilh√Ķes e importa√ß√Ķes de US$ 144,316 bilh√Ķes, de acordo com a Secex. Esta semana, o secret√°rio de Com√©rcio Exterior, Welber Barral, ampliou a expectativa das vendas externas brasileiras de US$ 180 bilh√Ķes para US$ 195 bilh√Ķes em 2010.

Segundo Jorge, o problema da desvaloriza√ß√£o do d√≥lar √© uma quest√£o importante e vai exigir avan√ßos em todo o mundo. Para ele, a ind√ļstria brasileira tem se mostrado competente para enfrentar essa dificuldade, que atinge principalmente as exporta√ß√Ķes. Ela tem, no entanto, se beneficiado com as importa√ß√Ķes.

‚ÄúTemos que considerar tamb√©m que a ind√ļstria brasileira tem se beneficiado muito das importa√ß√Ķes, porque s√£o, em cerca de 80% delas, importa√ß√Ķes de insumos e de m√°quinas e equipamentos que ajudam n√£o s√≥ a competitividade como tamb√©m a produtividade e a moderniza√ß√£o do todo‚ÄĚ, afirmou.

De acordo com o ministro, a reclama√ß√£o da ind√ļstria automobil√≠stica sobre a desvaloriza√ß√£o cambial √© sem sentido. ‚ÄúA ind√ļstria automobil√≠stica est√° reclamando, mas eu n√£o sei porque, j√° que 68% das importa√ß√Ķes s√£o feitas pela ind√ļstria automobil√≠stica. Se ela parar de importar, teremos uma redu√ß√£o de 68% na importa√ß√£o de carro no Brasil‚ÄĚ, disse Jorge, que j√° foi executivo do setor.

Em discurso durante a abertura do S√£o do Autom√≥vel, em S√£o Paulo, o ministro destacou que um dos principais desafios para o setor automobil√≠stico nacional ser√° o de reduzir a emiss√£o de gases de efeito estufa e melhorar a queima de combust√≠veis. "Nos pr√≥ximos anos, um grande desafio da ind√ļstria ser√° desenvolver melhores sistemas de propuls√£o", afirmou.

O Sal√£o ocorre at√© o dia 07 de novembro no Pavilh√£o de Exposi√ß√Ķes do Anhembi. Participam 42 diferentes marcas de ve√≠culos nacionais e importados.

*Com informa√ß√Ķes da reda√ß√£o da ANBA

Publica√ß√Ķes relacionadas