Roma da direita para a esquerda

Editor lan√ßa um guia da cidade na l√≠ngua √°rabe. O volume re√ļne informa√ß√Ķes importantes para os turistas que visitam Roma e at√© para os imigrantes. H√°, por exemplo, uma sele√ß√£o de frases prontas, inclusive aquela para saber se h√° carne de porco em algum prato do card√°pio. A publica√ß√£o tamb√©m tem a lista de s√≠tios arqueol√≥gicos e delegacias de pol√≠cia e traz a localiza√ß√£o da comunidade √°rabe na capital italiana.

Cl√°udia Abreu
claudia@anba.com.br

Da agência ANSA


Roma ‚Äď "Parece √°rabe" √© a maneira de dizer usada na It√°lia quando se fala de algo dif√≠cil de entender. No entanto, asseguram os √°rabes, o italiano n√£o √© nada f√°cil de ser compreendido. E, apesar dos milhares de falantes dessa l√≠ngua presentes em Roma ‚Äď marroquinos, tunisianos, libaneses e palestinos ‚Äď ningu√©m havia pensado, at√© agora, em criar um guia sobre a cidade escrito em √°rabe.


A id√©ia foi de um editor, Hiab Hashem, respons√°vel pela publica√ß√£o de uma revista mensal nesta l√≠ngua, "Nur". E quem o conhece assegura que √© uma pessoa dotada de grande for√ßa de vontade e apaixonado pelo que faz. Tanto que reuniu informa√ß√Ķes essenciais para um turista ou imigrante de origem √°rabe que chegue em Roma. Conseguiu ainda patrocinadores para o projeto (sendo o principal deles uma financeira que tem muitos clientes √°rabes em sua carteira) e lan√ßou o primeiro guia da cidade lido da direita para a esquerda.


No guia, que estar√° √† disposi√ß√£o gratuitamente nos locais de interesse tur√≠stico, haver√° um gloss√°rio com palavras-chave, n√ļmeros, dias da semana, e algumas frases mais usadas, inclusive aquela para saber se h√° carne de porco em algum prato que √© servido no restaurante.


A publica√ß√£o n√£o tem como p√ļblico-alvo somente os imigrantes, mas principalmente os turistas √°rabes da elite, aqueles interessados em cultura, boa cozinha e, claro, em fazer boas compras.


Com uma centena de p√°ginas e v√°rias ilustra√ß√Ķes, a publica√ß√£o foi apresentada no √ļltimo dia 20 num dos sal√Ķes do Campidoglio, sede da prefeitura romana, onde se ofereceu ch√° de menta e doces t√≠picos √† comunidade √°rabe presente. Entre alguns nomes, estavam o ministro plenipotenci√°rio da embaixada da Jord√Ęnia, Mowafaq Al Ajlluni, al√©m de representantes da Liga √Ārabe.


"Este guia surgiu para que os √°rabes se sintam cada vez mais parte integrante desta cidade, e para que a cada dia Roma seja uma grande capital acolhendo lado a lado √°rabes, chineses, franceses, indianos", declarou Hashem, o editor.


"Não é somente um guia turístico, mas um guia cultural, que pretende tornar o árabe mais familiar. Isso também nos faz lembrar indiretamente que, por dois séculos, na região da Sicília e arredores, o árabe foi a língua oficial", comentou o jornalista argelino Aman Lakhous.


Maurizio Bartolucci, presidente da comiss√£o municipal pelo direito ao voto dos imigrantes desejou que, futuramente, seja poss√≠vel realizar um guia mais abrangente, inclusive com apoio e interven√ß√Ķes da pr√≥pria prefeitura de Roma.


O guia, que j√° lista todas as delegacias de pol√≠cia, s√≠tios arqueol√≥gicos, restaurantes e locais da comunidade √°rabe, logo dever√° ser ampliado, pois alguns endere√ßos importantes n√£o foram inclu√≠dos. Entre os ausentes ilustres desta edi√ß√£o est√£o museus, como os Capitolinos. "Tamb√©m n√£o h√° o endere√ßo da mesquita de Roma", lamentou o conselheiro adjunto municipal Darif Aziz.

Publica√ß√Ķes relacionadas