Cafu é o novo embaixador da Copa de 2022, no Catar

‘O legado que o Catar vai deixar para o mundo é fantástico’, afirmou o capitão do penta à ANBA durante o anúncio de sua participação na primeira Copa do Mundo no mundo árabe.

Thais Sousa
tsousa@anba.com.br

São Paulo – O ex-jogador brasileiro Cafu (dir., na foto acima), capitão da seleção pentacampeã mundial de futebol em 2002, foi anunciado nesta sexta-feira (21) como embaixador do Comitê Supremo para Entrega e Legado da Copa do Mundo do Catar, em 2022. “Acho que o legado que o Catar vai deixar para o mundo é fantástico. Tudo que eu estou vendo que eles estão fazendo e vão fazer em termos de doação para outros países, que não têm a mesma possibilidade que o Catar, me surpreendeu muito e fez com que eu aceitasse com mais facilidade o convite para ser embaixador”, afirmou Cafu à ANBA durante a cerimônia de anúncio, em São Paulo. São embaixadores do Mundial de 2022 também o espanhol Xavi Hernández, o camaronês Samuel Eto’o e catariano Mohammed Saadon Al Kuwari, ex-tenista profissional.

O secretário-geral do Comitê Supremo do Catar, Hassan Al Thawadi (esq., na foto), deu as boas-vindas da equipe da Copa de 2022 ao brasileiro. “Cafu é uma lenda do futebol. Foi campeão do mundo e fora de campo, com seu trabalho social, ele representa muitos dos valores que trabalhamos no Catar. Nos impressiona o compromisso e dedicação que ele tem ao levar esperança e oportunidades aos menos favorecidos”, pontuou o secretário-geral.

O Catar anunciou o brasileiro Cafu, capitão da seleção pentacampeã do mundo em 2002, como embaixador da Copa do Mundo de 2022

O ex-jogador afirma que nos últimos meses tem ido com frequência ao Catar. “Eles estão preparando uma Copa do Mundo fantástica”, afirmou Cafu, que se surpreendeu com diversos aspectos do país. “É tudo completamente diferente daquele mundo que vivemos nos países sul-americanos. O Catar vem crescendo bastante, e nosso trabalho e função é fazer com que [as pessoas d’] os países não tenham medo de ir para o Catar. É um país tranquilo, seguro, aconchegante. Tem uma receptividade muito bacana para os turistas e eu estou muito feliz com isso, e espero que a gente possa levar muito mais gente para o Catar”, concluiu o atleta.

O brasileiro vai atuar em diversos projetos e deve se dedicar especialmente ao trabalho junto ao Josoor Institute (Instituto Ponte), que busca implantar cursos acadêmicos, vocacionais e de formações para as próximas gerações de profissionais do esporte. “Vou ter uma participação muito mais ativa nos projetos sociais. Eles perguntam de que maneira fazer, já que eu tenho uma experiência muito ampla no social. Há mais de 15 anos eu tenho uma fundação com mais de 950 crianças, então temos experiência para passar para eles sobre de que maneira fazer”, contou ele à ANBA, citando a Fundação Cafu, que ele criou e atende crianças, jovens e adultos no Jardim Irene, bairro paulistano onde o ex-jogador nasceu e cresceu.

Entre os projetos sociais que o Catar está desenvolvendo para a Copa estão o Challenge 22, prêmio de inovação e cultura no Oriente Médio criado para atrair empreendedores e cientistas para os países árabes. Outra iniciativa é o Generation Amazing, que usa o esporte para chegar a jovens e criar desenvolvimento social sustentável nas comunidades selecionadas. Ainda nesta sexta-feira Cafu participa de um evento do Generation Amazing com jovens no Museu do Futebol, em São Paulo.

Divulgação
Divulgação

Publicações relacionadas