Emirados aprovam 100% de capital estrangeiro em 122 áreas

Governo determinou atividades que podem ter empresas com capital totalmente estrangeiro. Cada emirado, porém, definirá percentual permitido nas diferentes áreas.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – O governo dos Emirados Árabes Unidos aprovou os setores e atividades econômicas elegíveis a ter negócios com até 100% de participação estrangeira no país. No total, 122 atividades econômicas de 13 segmentos foram incluídas na lista, segundo informação publicada nesta terça-feira (2) pelo site do jornal Gulf News, de Dubai.

A decisão foi tomada pelo gabinete do governo, presidido pelo vice-presidente e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, Mohammad Bin Rashid Al Maktoum (na foto acima, o terceiro da direita para a esquerda), que é também governador do emirado de Dubai. O objetivo da medida é apoiar o ambiente de crescimento e reafirmar a posição do país como um centro de investimentos no cenário global.

Entre os segmentos selecionados para a possibilidade de ter empresas com capital totalmente estrangeiro estão energia renovável, setor espacial, agricultura e indústria manufatureira. No caso da energia renovável é possível atuar com produção de painéis solares, transformadores de energia, tecnologia verde e usinas de energia híbrida. Outro segmento elencado é transporte e armazenamento, com transporte de e-commerce, atividades de logística e armazenamento a frio para produtos farmacêuticos, entre outros.

Também há áreas com possibilidade de permissão para capital estrangeiro total em hospitalidade e alimentação, informações e comunicações, além de atividades profissionais, científicas e técnicas, com permissão para abertura de laboratórios de pesquisa e desenvolvimento em biotecnologia, por exemplo, entre outros tipos de negócios. A listagem inclui ainda setores como educação, saúde, construção, e arte e entretenimento.

De acordo com informações do Gulf News, os governos locais de cada emirado determinarão o percentual que os investidores estrangeiros poderão ter nas diferentes áreas. “Os governos locais identificarão o percentual de propriedade em cada atividade, segundo suas circunstâncias. Nosso objetivo é estimular e facilitar negócios. Queremos abrir e expandir novos setores econômicos. Queremos atrair novos investidores e novos talentos e aumentar a competitividade global da economia nacional”, afirmou o Maktoum.

Escritório de Mídia de Dubai

Publicações relacionadas