Julho teve o menor saldo comercial em nove anos

Balança comercial brasileira teve superávit de US$ 2,3 bilhões no mês passado, o mais baixo para o período desde 2010. Exportações e importações caíram.

Agência Brasil
pauta@ebc.com.br

Brasília – A queda nas exportações de commodities, principalmente petróleo e soja, fez a balança comercial brasileira registrar o mais baixo superávit para meses de julho em nove anos. No mês passado, o país exportou US$ 2,293 bilhões a mais do que importou, valor 40,8% inferior ao de julho de 2018. Desde 2010, o saldo não registrava níveis tão baixos para o mês.

Tanto as exportações como as importações caíram no mês passado. Em julho, o país vendeu US$ 20,054 bilhões para o exterior, com recuo de 14,8% pelo critério da média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. As importações somaram US$ 17,761 bilhões, redução de US$ 8,9% na mesma comparação.

A balança comercial acumula superávit de US$ 28,369 bilhões nos sete primeiros meses do ano. O valor é 16,3% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado. As exportações somam US$ 129,896 bilhões, retração de 4,7% na comparação com o mesmo período de 2018 pela média diária. As importações totalizam US$ 101,527 bilhões, recuo de apenas 0,9% pelo mesmo critério.

Segundo o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão (foto), a maior parte da queda do saldo em julho é explicada pela soja, cujo valor exportado caiu 34,6% em relação ao mesmo mês de 2018, e pelo petróleo, cujas vendas recuaram 61,2% na mesma comparação. “Sozinhos, esses dois produtos responderam por 57% da queda do superávit comercial”, destacou.

Em relação ao petróleo, Brandão disse que a desaceleração da economia mundial está reduzindo a demanda global por combustíveis. Sobre a soja, ele explicou que problemas sanitários estão reduzindo a produção de carne suína na China, impactando a demanda do país asiático pela soja brasileira, usada na alimentação dos porcos.

No entanto, todas as categorias de produtos registraram queda nas exportações em julho: manufaturados, semimanufaturados e básicos.

Valter Campanato/Agência Brasil

Publicações relacionadas