Startup mineira leva acessibilidade digital aos Emirados

A empresa Geraes se prepara para abrir uma unidade no país árabe, após ganhar concurso local de startups e ser selecionada para expôr nas Olimpíadas Especiais em Abu Dhabi. Ela criou soluções para uso de computadores por deficientes.

Isaura Daniel
isaura.daniel@anba.com.br

São Paulo – Uma empresa brasileira chamada Geraes Tecnologia Assistiva se prepara para colocar suas bases nos Emirados Árabes Unidos. A startup de Minas Gerais ganhou prestígio no país ao ser campeã, no ano passado, do concurso EdTech Innovation Start-up Contest 2018, da aceleradora de startups Krypto Labs, de Abu Dhabi, e também foi selecionada para expor seus produtos nas Olimpíadas Especiais, que vão ocorrer de 12 a 21 deste mês no emirado.

Já com a primeira conquista, a empresa abriu as portas para estabelecer um braço nos Emirados. A Geraes ganhou US$ 150 mil por meio do EdTech Innovation, recursos que terão como fim a abertura de uma unidade no país árabe. De acordo com o sócio e um dos fundadores da empresa, Adriano Rabelo Assis, o plano era ter alguém no Emirados em abril para começar a conversar com players do setor de educação, com auxílio da Krypto Labs.

A notícia da seleção em outro concurso, este promovido pelo governo dos Emirados, porém, veio no começo da última semana. A competição deu à empresa um estande para apresentar seus produtos nas Olimpíadas Especiais, além do prêmio em dinheiro e as possibilidades de exposição da tecnologia ao alto escalão do governo do país árabe e de ser incubada no país por dois anos, sem custos, para implementação local de negócios.

Em entrevista à ANBA, quatro dias após saber da novidade, o empresário Assis se mostrava entusiasmado com a nova empreitada nos Emirados. O CCO da empresa, José Rubinger Filho, tinha viajado ao país árabe para representar a Geraes nas atividades das Olimpíadas Especiais, e teria a alternativa de antecipar a prospecção prevista para abril. De acordo com Assis, na volta serão reavaliados os novos passos no país árabe.

A mineira Geraes produz tecnologia de acessibilidade digital. Na prática, seus produtos permitem que pessoas com deficiência física e intelectual usem o computador ou se comuniquem com os demais por meio da tecnologia. Um dos principais produtos da Geraes é o TiX, um painel que faz a função do mouse e do teclado. Ele tem apenas 11 botões, grandes e sensíveis ao toque, ideal para pessoas que não têm coordenação motora fina. Ele pode ser manuseado por membros superiores ou inferiores – até mesmo pelos pés.

Para quem não tem movimentos do pescoço para baixo, a startup mineira criou um acessório chamado A-blinX, comandado pelo piscar de olhos. Com ele, a pessoa pode dar comandos para o funcionamento do TiX, se quiser usar o computador. O acessório pode ser usado diretamente no celular ou computador para que a pessoa se comunique com quem está ao seu lado, se não conseguir falar.

A Geraes tem outros produtos, como o Simplix, um software para uso do TiX por pessoas com deficiência intelectual. Por meio dele, educadores podem passar atividades voltadas para eles, em alguns casos simplificadas, para serem feitas por meio do TiX. A empresa criou com outra companhia de tecnologia, a Actcon, um programa educacional voltado a alunos com deficiência, o TiX Letramento, um software com o conteúdo de Português e Matemática da base curricular nacional para o Ensino Fundamental da Rede Pública. Ele será usado a partir de maio.

Assis afirma que será avaliada a possibilidade de oferecer o TiX Letramento nos Emirados, com o conteúdo curricular local. Os produtos da empresa já existem em versão em inglês. No ano passado, os sócios da Geraes abriram uma empresa, a Key2enable, nos Estados Unidos, para ser usada como plataforma de exportação da companhia mineira. Foi a partir dela que ocorreu a participação no concurso de startups da Krypto Labs. Por isso, o braço nos Emirados deverá ser da Key2enable. A competição teve cerca de 800 inscrições.

A Geraes Tecnologia Assistiva foi criada há dez anos, inicialmente com soluções para deficientes visuais. O produto desenvolvido permitia que cegos tomassem ônibus sozinhos, mas dependia do setor público porque equipamentos deveriam ser instalados nos coletivos. A dependência da área pública dificultou sua propagação. Em 2014, a empresa resolveu se voltar para o desenvolvimento de tecnologias para deficientes motores e intelectuais. Inicialmente as vendas eram feitas aos clientes finais, mas depois as escolas e clínicas de reabilitações viraram as grandes consumidoras. Hoje a Geraes tem cerca de cinco mil pessoas usando seus produtos.

Além da expansão para Estados Unidos e para os Emirados, a empresa mineira está de olho em outros mercados mundo afora. No final deste mês ela fará um workshop para apresentação das soluções tecnológicas a professores da Costa Rica, na América Central.

Adriano Rabelo Assis é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e o outro sócio da empresa, Julio Cezar David de Melo, tem pós-doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade do Texas. Na foto acima, Melo (direita) e Assis (segurando a placa TiX) com desenvolvedores da empresa. Os dois engenheiros criaram a Geraes com outro sócio, que depois saiu do negócio. A sede da empresa fica na capital mineira, Belo Horizonte.

Contato:

Geraes Tecnologia Assistiva
Site: https://tecladointeligente.com.br/
Telefone (whatsapp): +55 (31) 3495 1497
Email: geraes@geraestec.com.br

Diego Lara

Publicações relacionadas