Turismo islâmico pode criar 1,2 milhão de empregos até 2020

Número de postos de trabalho ligados ao setor tem condições de dobrar no Oriente Médio, e o faturamento do ramo deve aumentar 21% no mesmo período.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – O turismo muçulmano deve movimentar US$ 36 bilhões e impactar positivamente o Produto Interno Bruto (PIB) no Oriente Médio até 2020. Se confirmada, a previsão representará um aumento de 21% em relação aos US$ 29,7 bilhões registrados em 2017, segundo estudo do Salam Standard, sistema online de classificação de estabelecimentos de hospedagem “halal”, ou seja, adequados para muçulmanos. A indústria de turismo muçulmano deve criar 1,2 milhão de empregos na região até 2020, mais do que o dobro dos 528 mil empregados atualmente. As informações são do site da revista Arabian Business, de Dubai.

O Oriente Médio é a região mais movimentada pelo turismo muçulmano e responde por 24% do faturamento mundial do segmento. A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e a Turquia são os três principais destinos. Vale lembrar que Meca e Medina ficam na Arábia Saudita e são os principais locais de peregrinação da religião. Estas cidades recebem milhões de visitantes todos os anos.

A Arábia Saudita é o país que mais conta com o turismo muçulmano. A participação do segmento no total do setor de turismo do país deve chegar a 78% até 2020. O reino também é o sexto maior beneficiário em todo o mundo em termos de impacto tributário do turismo muçulmano, tendo contabilizado US$ 500 milhões em 2017.

Além disso, os muçulmanos do Oriente Médio são de longe os que mais gastam em viagens ao exterior, com US$ 62,2 bilhões em despesas em 2017, com previsão de aumento para US$ 72 bilhões em 2020, e participação de mercado de 59%, segundo o estudo.

Turistas da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos são os que mais gastam entre os turistas muçulmanos, com participação no total global prevista para atingir 41% até o final da década.

“Os números falam por si: o setor de viagens muçulmanas está desempenhando um papel cada vez mais significativo na riqueza econômica dos países do Oriente Médio, principalmente as nações do Golfo, com indústrias de turismo vibrantes e  planos ambiciosos para desenvolvê-las ainda mais, como os Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita”, disse Faeez Fadhlillah, co-fundador e CEO do Salam Standard, segundo o site da Arabian Business.

Mundialmente, o turismo muçulmano deverá movimentar US$ 183 bilhões até 2020, valor bem acima dos US$ 148 bilhões registrados 2017, e deverá empregar 5,6 milhões de pessoas, de acordo com o estudo.

“Uma em cada três pessoas em todo o mundo se identificará como muçulmana até 2060 e desconsiderar essa tendência seria imprudente”, disse Fadhlillah. “Com o crescimento da população muçulmana em 70%, comparado à média global de 32%, o setor de turismo muçulmano apresenta muitas oportunidades inexploradas para países e organizações que atenderem suas necessidades.”, concluiu.

Mustafa Ciftci/Anadolu Agency/AFP

Publicações relacionadas