Feira de Damasco espera participação de 1,5 mil empresas

Mostra vai ocorrer de 28 de agosto a 06 de setembro na capital da Síria com pavilhões de 30 países. Brasil terá estande organizado pela Câmara Árabe e pela embaixada brasileira.

Da Redação
anba@anba.com.br

Damasco – A Feira Internacional de Damasco espera a participação de 1,5 mil empresas, segundo informações da agência de notícias Sana, do governo sírio. A 61ª edição da mostra multissetorial vai ocorrer de 28 de agosto a 06 de setembro, na capital da Síria.

A feira deverá contar com pavilhões de 30 países. O Brasil terá um estande organizado pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira e pela embaixada do País em Damasco. O slogan da mostra este ano é “Da Síria para o Mundo”. Na foto, o centro de exposições de Damasco.

O embaixador brasileiro em Damasco, Fabio Vaz Pitaluga, disse à Sana recentemente que há um grande espaço para ampliar a cooperação entre o Brasil e a Síria, e que o País tem interesse em participar da reconstrução da nação árabe. Ele desejou o retorno da paz e da prosperidade à Síria.

O Comitê de Delegações e Relações Públicas da feira informou que foram convidados 400 empresários estrangeiros e de outros países árabes para participar do evento, incluindo delegações de alto nível dos Emirados Árabes Unidos, com 40 pessoas, e de Omã, com 35 integrantes.

São esperados também 200 visitantes do setor de alimentos de países europeus, segundo a Sana, mais 100 participantes internacionais do ramo têxtil.

A feira terá exposições segmentadas para os setores bancário, de seguros e agrícola, além da 19ª edição da Feira Al-Bassel de Invenções e Inovação, voltada para inventores, estudantes e instituições com projetos nas áreas de meio ambiente, recursos hídricos e energia.

A Feira Internacional de Damasco ocorre desde a década de 1950, mas sua realização foi suspensa após o início da guerra civil na Síria, em 2011. A mostra voltou a ocorrer em 2017. A embaixada brasileira participou das duas últimas edições do evento, e a Câmara Árabe, da de 2018.

Louai Beshara/AFP

Publicações relacionadas