Vendas externas do agronegócio avançaram 2,7% em abril

Exportações brasileiras do setor somaram US$ 8,89 bilhões no mês passado. No acumulado do ano, embarques renderam US$ 30,5 bilhões, um aumento de 4,4%.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – As exportações do agronegócio brasileiro somaram US$ 8,89 bilhões em abril, um aumento de 2,7% em relação ao mesmo mês de 2017, segundo dados divulgados nesta terça-feira (15) pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O setor respondeu por 44,8% das vendas externas totais do Brasil no mês passado, de acordo com o Mapa.

O destaque em abril, segundo o ministério, foi o desempenho do grupo de produtos florestais, principalmente de celulose (foto acima), cujas exportações cresceram 40,3% sobre o mesmo mês do ano passado, para US$ 643,8 milhões.

Embarques de farelo de soja cresceram 31%

No complexo soja, que lidera as vendas externas do agronegócio brasileiro, houve aumento de 30,7% na receita com os embarques de farelo de soja, para US$ 614,21 milhões. O Mapa informa que uma seca prejudicou a produção de soja na Argentina, o que permitiu ao Brasil ampliar suas exportações do produto.

O Mapa destaca ainda o crescimento das vendas externas de bois vivos, fumo e suco de laranja.

Entre os 20 principais destinos no mês, a Arábia Saudita é o único país árabe que aparece na lista, com compras de US$ 109,61 milhões, um recuo de 51,2% em relação a abril de 2017. A China foi de longe o maior mercado do agronegócio brasileiro no período, com importações de US$ 3,65 bilhões.

Acumulado

De janeiro a abril, o agronegócio brasileiro exportou o equivalente a US$ 30,47 bilhões, um crescimento de 4,4% sobre o mesmo período do ano passado. As vendas externas totais do País têm avançado mais do que as do setor, então a participação do agronegócio caiu de 42,8% nos quatro primeiros meses de 2017 para 40,9% no mesmo período de 2018.

De acordo com o Mapa, foi destaque de janeiro a abril o crescimento das exportações de celulose, fumo, farelo de soja, bovinos vivos e suco de laranja.

A Arábia Saudita aparece em 12º lugar entre os 20 principais mercados, com importações de US$ 569 milhões, uma queda de 34% em relação aos quatro primeiros meses do ano passado. Os Emirados Árabes Unidos ocupam a 18ª colocação, com compras de US$ 410 milhões, um aumento de 9% na mesa comparação.

Árabes em destaque

No acumulado dos últimos 12 meses, segundo o Mapa, dois países árabes se destacaram entre os importadores do Brasil: o Egito, que importou US$ 2,14 bilhões, um crescimento de 96,7% sobre os 12 meses anteriores; e os Emirados, com compras de US$ 1,72 bilhão, um avanço de 26,5% na mesma comparação. Estes dois destinos ficaram, respectivamente, na 8ª e na 15ª posição entre os 20 maiores mercados no período. A Arábia Saudita aparece na 14ª colocação, com importações de US$ 1,84 bilhão, um recuo de 19,4%.

Amanda Oliveira/GOVBA
Asscom/Appa

Publicações relacionadas