Câmara Árabe participou de fórum sobre bem-estar animal

Evento de capacitação em boas práticas no transporte marítimo de animais vivos ocorreu em São Sebastião. Diretora da entidade falou das exportações de gado ao mundo árabe, que somaram US$ 153 milhões em 2018.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – A 1ª Capacitação em Boas Práticas e Bem-Estar Animal no Transporte Marítimo de Animais Vivos começou nesta segunda-feira (16) e vai até sexta-feira (20), no Teatro Municipal de São Sebastião, no litoral paulista. A diretora de Marketing e Estratégia da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Janine Bezerra de Menezes (na foto, a 1ª à direita), participou da mesa da cerimônia de abertura. O evento foi organizado pelo Ministério da Agricultura, em parceria com a Agência Nacional de Transportes Aquaviários, Marinha do Brasil e Prefeitura de São Sebastião.

Em seu discurso, Menezes ressaltou a importância dos países árabes para o comércio de gado vivo. “Nos últimos cinco anos, esse segmento apresentou um crescimento anual médio de 6,2%, atingindo US$ 153,46 milhões em 2018”, informou. O valor é equivalente a 29% das exportações totais do Brasil no setor, ou seja, de tudo que o País exporta de gado vivo para o mundo, quase um terço tem como destino um país árabe.

O mundo árabe é o segundo maior destino de animais vivos do Brasil – gado e cavalos – perdendo apenas para a Turquia. Os principais países compradores são Egito, Líbano, Iraque e Jordânia.

“A própria expansão do segmento no Brasil está relacionada às necessidades de países como Líbano, cujo comércio tem se desenvolvido desde 2005. O Egito, atualmente principal comprador árabe de gado brasileiro, tem intensificado esse comércio desde 2009, sendo seguido por países como Jordânia e Iraque”, informou Menezes.

A diretora destacou a importância do Porto de São Sebastião, que hoje é a principal saída logística de gado vivo aos países árabes, com crescimento de 192% em 2018 no segmento de carga viva.

“Quando olhamos para a demanda árabe, percebemos que há ainda muitas oportunidades a serem exploradas. Se esses países são importantes importadores do boi brasileiro, temos apenas 13% da fatia de mercado. Temos condições de aumentar a expressividade de nossas exportações, bem como diversificar mercados”, afirmou Menezes.

O Brasil é um dos maiores exportadores de gado vivo do mundo. Segundo o Ministério da Economia, ano passado foram exportadas 810 mil cabeças de bovinos, um aumento de 102,2% no comparativo com 2017.

A Companhia Docas de São Sebastião afirma que o embarque de animais bovinos vivos é realizado em conformidade com as normas e procedimentos estabelecidos pelo Ministério de Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa). O órgão acompanha e fiscaliza todo o processo desde a quarentena do gado na fazenda, o transporte rodoviário e o embarque.

Divulgação

Publicações relacionadas