Câmara Árabe vai enviar 3 toneladas de doações ao Líbano

Instituição encaminhará medicamentos, EPIs e alimentos aos libaneses por meio de avião do governo brasileiro na próxima semana. Produtos foram comprados com recursos próprios e com doações financeiras em campanha apoiada por outras associações e grupos. Contribuições ainda podem ser feitas, pois serão realizadas novas remessas.

Isaura Daniel
isaura.daniel@anba.com.br

São Paulo – A Câmara de Comércio Árabe Brasileira vai encaminhar remessa inicial de três toneladas de medicamentos, equipamentos de proteção individual e leite em pó para ajudar os libaneses afetados pela explosão ocorrida em Beirute esta semana, que deixou mais de 150 mortos, cinco mil feridos e cerca de 300 mil desabrigados. Os produtos foram comprados com recursos da entidade e com doações financeiras feitas em campanha promovida pela Câmara Árabe com o apoio de associações e grupos.

Os produtos serão transportados ao Líbano na próxima semana por um avião do governo federal, que levará volume ainda maior de doações. O Ministério das Relações Exteriores entrou em contato com o vice-presidente de Relações Internacionais da Câmara Árabe, Osmar Chohfi, para falar sobre doações e abriu espaço na aeronave para os donativos. A entidade vai embarcar inicialmente as três toneladas para as quais ganhou espaço, mas seguirá com a campanha de arrecadações ativa e viabilizará outras formas de envio em breve. O trabalho é feito com o suporte e apoio da Embaixada do Líbano no Brasil.

O presidente da Câmara Árabe, Rubens Hannun, afirma que a campanha e as doações estão sendo feitas porque há uma necessidade humanitária urgente neste momento no Líbano. Ele relata que a Câmara Árabe percebeu que precisava ser uma facilitadora para as muitas entidades e pessoas do Brasil que desejavam ajudar os libaneses e não tinham o caminho para fazê-lo. “É papel nosso sermos facilitadores nesse trâmite, é parte do nosso propósito conectar árabes e brasileiros para o desenvolvimento econômico, social e cultural”, afirma Hannun, destacando o lado social da ação.

A campanha das doações da Câmara Árabe teve seu início nesta quinta-feira (6). Por enquanto é possível apenas fazer contribuições em dinheiro em uma conta disponibilizada pela instituição, mas mais adiante será possível doar produtos. Serão analisados que outros tipos de ajuda os libaneses vão precisar. “A necessidade continuará, inclusive para reconstrução”, afirma Hannun. A explosão destruiu o porto e grande área em sua cercania com casas, lojas, prédios comerciais e residenciais, hotéis, entre outros.

O Comitê de Mulheres da Câmara Árabe, que foi recentemente lançado, está trabalhando ativamente para a campanha das doações. A Associação Médica Líbano-Brasileira (AMLB) foi a primeira parceira da iniciativa e muitos outros grupos brasileiros se juntaram para fazer doações por meio da Câmara Árabe ou divulgar a ação junto a seus conhecidos e membros para que façam contribuições.

Entre os que fazem parte estão a Associação Beneficente Síria e o Esporte Clube Sírio, de São Paulo, e o Conselho dos Embaixadores Árabes no Brasil. No Rio Grande do Sul participam o grupo Os Amigos do Líbano e do Brasil, as Sociedades Libanesas de Porto Alegre, Pelotas e Santa Maria, a União Beneficente de Senhoras Monte Líbano, a Igreja Maronita Nossa Senhora do Líbano e Câmara de Comércio Brasil Líbano, além do empresário e consultor José Eduardo Buchabqui, o deputado estadual Tiago Simon, o ex-governador Pedro Simon e ex-ministro Carlos Marun.

A Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras) está fazendo suas ações em sintonia com a Câmara Árabe para que cada uma atenda diferentes necessidades da população atingida. A iniciativa da Câmara Árabe se junta a várias outras de ajuda ao Líbano no Brasil, formando um grande grupo integrado também por Fambras, AMLB, Câmara de Comércio Brasil-Líbano (SP), Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Instituto Kanoun – Associação de Juristas de Origem Libanesa, Clube Monte Líbano, Hospital Sírio-Libanês, Embaixada do Líbano em Brasília, Fundação Cristã da Diáspora Libanesa (FCDL) e governo federal do Brasil.

A tragédia no Líbano causou grande comoção entre os brasileiros em função da gravidade dos acontecimentos, do grande número de atingidos e também por causa dos fortes laços que unem Brasil e Líbano. Entre os árabes e descendentes que vivem no Brasil, 27% são de origem libanesa. Muitos brasileiros vivem no Líbano atualmente também. As manifestações de apoio e sensibilização estão ocorrendo em várias partes do Brasil oriundas de governos, entidades, cidadãos e empresas.

Doações:
Câmara de Comércio Árabe Brasileira
Banco Santander  – 033
AG 3681
CC 13003341-5
CNPJ 62.659.784/0001-11

Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe

Publicações relacionadas