Dubai quer obras da Expo 2020 prontas um ano antes

Exposição mundial no emirado começa em outubro do próximo ano, mas organização quer instalações principais terminadas para 12 meses de testes.

Thais Sousa
tsousa@anba.com.br

Dubai – A Expo 2020 Dubai terá início nos Emirados Árabes Unidos em outubro de 2020, mas um ano antes Dubai quer que as instalações principais estejam concluídas para 12 meses de testes. Durante visita da reportagem da ANBA este mês ao escritório do evento, foi possível ver o andamento das obras no distrito Dubai South, próximo ao Aeroporto Internacional Al Maktoum, e, Jebel Ali. A área da exposição é de 4,38 quilômetros quadrados e, da sala da administração, uma ampla janela mostra que já foi levantada, por exemplo, a estrutura principal da área da Sustentabilidade (canto esquerdo da foto) , onde ficará o Pavilhão do Brasil.

Com o evento, que ocorre a cada cinco anos e pela primeira vez será realizado no Oriente Médio, Dubai espera receber 25 milhões de visitantes, sendo 70% deles estrangeiros. O projeto do Pavilhão da Sustentabilidade prevê que ele tenha sistemas de água e energia sustentáveis, usando energia solar e água coletada do ar. A área será transformada, posteriormente, em um centro para crianças e ciência.

Perspectiva artística do Pavilhão Sustentabilidade, onde ficará o espaço brasileiro

O espaço destinado ao Brasil já tem projeto arquitetônico escolhido, após seleção em concurso. A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) é responsável pelo espaço do País. A Apex informou que o contrato com a organização da Expo foi celebrado e a participação brasileira está confirmada. “Inclusive já estamos bem avançados. A única questão pendente é a nomeação do Comissário Geral, devido à transição no governo”, afirmou à ANBA Adriana Teixeira, gerente responsável pelo projeto da Expo 2020 na Apex.

Legado

Além da Sustentabilidade, a exposição terá as duas grandes áreas: Oportunidade e Mobilidade. Dentro delas, os pavilhões de 190 países serão distribuídos de acordo com o que mais se alinhar aos seus temas e atrações. O investimento feito na construção da exposição é estimado em 38 bilhões de dirhans (US$ 10,34 bilhões), e a feira em si deverá movimentar 23 bilhões de dirhans (US$ 6,26 bilhões). Os principais setores beneficiados devem ser os de turismo, comunicações, serviços financeiros, transportes, imobiliário e de varejo.

A ideia do projeto é que o espaço da Expo 2020 todo se converta em legado para o emirado, a exemplo de exposições anteriores, como a de 1889, em Paris, na França, para a qual a Torre Eiffel foi construída, tornando-se símbolo da capital francesa. O evento em Dubai pode gerar benefícios estimados em 62 bilhões de dirhans (US$ 16,88 bilhões) entre 2021 e 2030. A organização fala em quatro pilares que baseiam esse legado: o físico, o econômico, o social e o de reputação. Pelo menos 80% das construções para a Expo vão ser transformadas no chamado Distrito 2020, um bairro comercial e residencial.

Duas empresas já confirmaram que vão se instalar no futuro distrito. A Accenture, de consultoria digital, e a Siemens, empresa de tecnologia. Ambas são parceiras oficiais da Expo 2020. Segundo a organização da exposição, a Siemens vai estabelecer uma matriz global para logística de portos e aeroportos no Distrito. A Accenture irá abrir um polo digital na área.

Veja, abaixo, imagens aéreas captadas por drones e divulgadas pela organização da Expo 2020 sobre o andamento das obras. O primeiro, com imagens gravadas até setembro de 2018, e o segundo, em fevereiro de 2019:

Thais Sousa / ANBA
Divulgação

Publicações relacionadas