No Cairo, ministra mostra ações sustentáveis do agronegócio

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, falou sobre práticas usadas pelo setor que mostram sua preocupação com o meio ambiente.

Isaura Daniel
isaura.daniel@anba.com.br

Cairo – A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, apresentou aos egípcios, em seminário neste domingo (15), no Cairo, as práticas sustentáveis da agricultura brasileira e a preocupação do setor com o meio ambiente. “Ao mesmo tempo em que busca aumentar a produtividade e a qualidade da sua agropecuária, o Brasil desenvolve mecanismos para proteger o seu meio ambiente”, disse a ministra para os participantes do Seminário de Negócios Brasil-Egito, que ocorreu na sede da Federação das Câmaras de Comércio do Egito. A maioria dos presentes eram empresários e importadores egípcios.

Segundo a ministra, a preservação ambiental é uma preocupação não apenas do governo brasileiro, mas dos próprios produtores rurais. “O código florestal brasileiro é um instrumento efetivo de proteção à vegetação nativa, exigindo a conservação de 25% da área das propriedades privadas rurais no Cerrado e chegando a 80% de restrição do uso do solo no bioma amazônico”, disse Tereza Cristina. Segundo ela, o Ministério da Agricultura tem incentivado práticas de produção de baixa emissão de carbono.

Entre as ações que o ministério incentiva, ela citou a recuperação de pastagens degradadas, a integração lavoura-pecuária-floresta e o uso do plantio direto. “Vale destacar que o valor das florestas brasileiras vai além de todos os serviços ambientais prestados e chegou no ano de 2017 a um montante de R$ 4,4 bilhões em produtos do extrativismo, como castanhas, açaí, que sustentam milhares de famílias, principalmente na região amazônica.”

A ministra afirmou que a associação feita internacionalmente entre a produção de alimentos do Brasil e o desmatamento e as queimadas na Amazônia são distorções que nem de longe correspondem à realidade. “O problema na Amazônia existe e está sendo tratado com a seriedade que merece, como pude comprovar em recente visita àquela região do Brasil”, falou a ministra, sobre o desmatamento. Segundo ela, o Brasil nunca deixou de reconhecer a gravidade da questão e o que é preciso fazer, e está sendo feito, é identificar e punir os culpados.

O diretor-executivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin, também apresentou no seminário o lado sustentável da produção brasileira de frango e do agronegócio como um todo. “A produção brasileira de aves está fora do bioma Amazônia”, disse ele, contando que as operações do segmento estão concentradas na região Sul do Brasil.  Segundo ele, o Brasil tem uma das produções mais sustentáveis do mundo em avicultura. Atender a Europa fez com que o setor se tornasse ainda mais sustentável, segundo Santin.

O seminário no qual falaram a ministra e o diretor-executivo da ABPA ocorreu como parte de uma missão do Ministério da Agricultura para quatro países árabes, composta de delegação empresarial e governamental. As atividades foram encerradas no Egito neste domingo (15) e seguirão na Arábia Saudita nesta segunda-feira (16). A ministra passará com seu grupo pelo Kuwait e Emirados Árabes Unidos até o próximo domingo (22).

Isaura Daniel/ANBA

Publicações relacionadas