Feira de investimentos supera expectativa de brasileiros

Empresas ligadas ao agronegócio apresentaram projetos em exposição paralela ao Annual Investment Meeting, em Dubai. Foram mais de 200 reuniões com investidores.

Thais Sousa
tsousa@anba.com.br

Dubai – A participação brasileira despertou interesse acima do esperado na feira que ocorreu paralelamente ao Annual Investment Meeting (AIM). Participaram 11 empresas ligadas ao agronegócio que querem atrair investimentos para projetos no Brasil. Elas integraram um estande organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e realizaram mais de 200 reuniões com investidores nos três dias de evento. O AIM é um fórum anual sobre investimentos estrangeiros diretos (IED) que terminou nesta quarta-feira (10) em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

A empresas selecionadas pelo Mapa apresentaram projetos que somam US$ 500 milhões. “Foi uma participação acima da esperada porque, quando pensamos em Emirados, temos a impressão de que eles querem apenas grandes projetos, mas vimos que eles têm também interesse em projetos que vão de US$ 10 milhões a US$ 50 milhões. Muitos fundos estiveram aqui e se interessaram”, destacou o diretor substituto do Departamento de Promoção Internacional do Mapa, Rodrigo Da Matta, em entrevista à ANBA.

Entre os brasileiros, Matta avalia que três projetos que somam US$ 210 milhões avançaram significativamente nos contatos, em áreas que incluem cafés especiais, aquicultura e tecnologia. A Soul Fish Aquicultura mostrou um projeto que busca viabilizar a construção de um complexo que irá abranger desde a criação de peixes, passando pela produção de ração própria e chegando a frigoríficos que vão receber o peixe ainda vivo. “O balanço até agora é extremamente positivo e temos bastante trabalho para fazer. Nosso projeto é de US$ 80 milhões, sendo que 20% de investimento direto e 80% do valor precisa ser assegurado para que seja repassado através do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)”, afirmou Manoel Padilha, fundador da empresa.

Participando pela primeira vez de evento de investimentos, a Solo Water do Brasil busca entrar no mercado de Dubai com uma água classificada como rara e especial pela responsável pelo marketing da marca, Nivea Heluey. “O produto é água naturalmente alcalina, com pH 10, excelente para a saúde e com mineral que metaboliza o colágeno”, disse ela sobre a água que provém de fonte do município de Guaraniaçu (PR). A empresa conta com certificação da Esma, agência reguladora de produtos dos Emirados, e para Heluey a feira trouxe boas perspectivas. “Hoje, vendemos apenas para B2C (para consumidores) e o planejamento é fazer uma grande entrada. Temos capacidade para atender restaurantes, empresas e até mesmo hospitais. O mercado é competitivo, mas queremos entrar e nosso segmento é muito específico”, concluiu.

Outra empresa presente no evento foi a Netto Alimentos, que busca investimento para a Granja Diamantino, que começou a ser construída em setembro de 2018. A empresa já esteve presente em eventos em países árabes, mas é a primeira vez que participa de uma feira de investimentos. “Produzimos 5 milhões de ovos por dia. As conversas sobre investimentos demoram mais para amadurecer, mas fizemos de 10 a 15 reuniões e algumas têm potencial”, declarou Paulo Ricardo, responsável pelos negócios internacionais da empresa.

Câmara Árabe

A participação brasileira teve apoio da Câmara Árabe, que acompanhou os contatos das empresas

Da esq. p/ dir., Baltazar, Alichia, Musharrakh, Hannun e Solimeo

A participação brasileira teve apoio da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, que acompanhou os contatos das empresas no estande. “A feira surpreendeu. O ‘feedback’ das empresas sobre a procura por projetos foi sensacional. A imagem do Brasil vende muito bem, e aqui elas tiveram reuniões e contatos que muito dificilmente teriam lá (no Brasil)”, afirmou Daniel Hannun, diretor de Investimentos da Câmara Árabe, que participou do evento em Dubai. Além do apoio aos brasileiros, representantes da Câmara Árabe na AIM tiveram reuniões com investidores e entidades árabes. “Viemos entender quem são estes investidores e no que eles estão interessados, para poder fomentar o trabalho das empresas brasileiras na região”, pontuou Hannun.

Uma das reuniões foi feita na manhã desta quarta-feira (10) no estande da Autoridade de Sharjah para Promoção de Investimentos (Shurooq). Participaram do encontro, Fernanda Baltazar, gerente de relações governamentais da Câmara Árabe, Marwan Saleh Alichia, chefe de promoção de investimentos da Shurooq, Mohamed Juma Al Musharrakh, chefe executivo do escritório de Sharjah para IED, Daniel Hannun e Rafael Solimeo, chefe do escritório internacional da Câmara Árabe.

Divulgação
Thais Sousa / ANBA

Publicações relacionadas