Indústria: 10% do PIB do GCC

A participação do setor na economia do Conselho de Cooperação do Golfo saltou de menos 2,5% em 1968 para 10% em 2009.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – A participação do setor industrial no Produto Interno Bruto (PIB) do Conselho de Cooperação do Golfo (GCC), bloco econômico que inclui Arábia Saudita, Bahrein, Catar, Emirados Árabes Unidos, Omã e Kuwait, cresceu de 2,5% em 1968 para 10% em 2009, segundo declarou o ministro da Indústria e Comércio saudita, Zainal Alireza. Este ano, segundo o ministro, o PIB do bloco deve crescer 4,4%, para US$ 983 bilhões.

"A Arábia Saudita tem dado grande importância ao setor industrial e esta medida fez com que o país ganhe várias posições entre as principais economias do mundo," declarou o ministro, segundo informa o jornal Arab News, do país árabe.

Segundo o ministro, desde sua criação, em 1974, o Fundo de Desenvolvimento Industrial da Arábia Saudita (SIDF, na sigla em inglês), criado pelo governo do país, já fez 2.694 empréstimos avaliados em 71 bilhões de riais sauditas (US$ 18,9 bilhões) para projetos industriais em todo o país.

O fundo, segundo dados publicados na página de internet da Embaixada Saudita em Londres, financia até 50% do capital para estabelecimento de uma nova fábrica. No período, o investimento industrial total no país alcança 272 bilhões de riais (US$ 72,5 bilhões).

De acordo com o ministro, a criação de novas cidades industriais e a ampliação daquelas já existentes em Jubail, Yanbu e Jeddah forneceram a infra-estrutura necessária para o desenvolvimento destes projetos.

Entretanto, para Abdul Rahman Al-Rashid, presidente da Câmara de Asharqiya, são necessários mais fundos para o financiamento de projetos industriais. "Buscamos novos mecanismos para financiar projetos industriais no GCC," declarou o executivo.

Segundo o diretor de crédito interino do SIDF, Adel Al-Sihaimi, sua organização fornece consultoria técnica, administrativa, financeira e de marketing aos projetos financiados. A organização também financia até 50% do capital para construção, segurança industrial, aquisição de maquinário e equipamento, capital de giro e outros custos iniciais do projeto.

Já em Omã, segundo Talal Al-Zadjali, chefe do departamento de estudos e pesquisas do Banco de Desenvolvimento do país, o setor industrial representa um importante pilar para o desenvolvimento de seu país, em substituição às receitas petrolíferas, que estão em queda.

Segundo Al-Zadjali, sua organização tem capital de 1 bilhão de riais de omani (US$ 2,6 bilhões) para financiamento de projetos agrícolas, turísticos, de saúde, treinamento profissional e de tecnologia da informação. O prazo de pagamento dos empréstimos é de dez anos, com juros de 9% – dois terços sendo cobertos pelo governo do país.

No Kuwait, o Fundo de Desenvolvimento Industrial do país, criado pelo governo em 1973, já financiou 867 projetos industriais, segundo informa o diretor do departamento econômico, Jassim Al-Ammar.

*Tradução de Mark Ament

Publicações relacionadas