Interrupção do Suez terá reflexo no comércio com os árabes

Canal do Suez, no Egito, ficou fechado por cerca de uma semana por causa de navio encalhado, o que deve causar atrasos nas entregas de mercadorias do Brasil a alguns países árabes. A rota é uma das mais curtas para chegada de embarcações do País ao Golfo.

Isaura Daniel
isaura.daniel@anba.com.br

São Paulo – O fechamento por cerca de uma semana do Canal de Suez, no Egito, em função de um navio que encalhou, deve trazer reflexos para o comércio do Brasil com os países árabes. O canal é via para chegada de cargas do Brasil para países árabes como Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Catar, Bahrein, Kuwait, Omã e Iêmen. Na foto acima, tráfego normalizado no Suez, um dia após liberação. 

Apesar de ocorrer em um período especial nos mercados árabes, o Ramadã, há expectativa de que o impacto não vá muito além do atraso no desembarque de mercadorias. “No curto prazo, pode afetar as entregas de mercadorias para o Ramadã, mas acredito que não seja preciso mais de três semanas para se normalizar”, diz o secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, Tamer Mansour.

Mansour acredita em normalização rápida

O Ramadã deste ano começa em 13 de abril e termina em 12 de maio. No período, os muçulmanos jejuam durante o dia, mas servem mesas fartas assim que o sol se põe. Os países árabes costumam deixar os estoques de alimentos bem abastecidos para a época e o Brasil é importante fornecedor de produtos do segmento.

O Suez não é via de passagem de cargas brasileiras para todos os países árabes, já que a maioria das nações árabes da África fica antes do canal. Mercadorias  que vão ao próprio Egito são descarregadas em localização anterior. “Os navios vindos do Brasil para o Egito atravessam o Mar Mediterrâneo e atracam antes do Canal de Suez, utilizando principalmente os portos de Alexandria e Port Said”, explica o adido agrícola do Brasil no Egito, Cesar Simas Teles.

Mas Teles sabe que a situação é diferente para os embarques do Brasil a outros países árabes. “O fechamento do canal pode impactar o comércio brasileiro com outros países árabes pois a travessia do Canal de Suez é a rota mais curta entre o Brasil e vários parceiros comerciais árabes. Sem o canal, os navios gastariam até duas semanas a mais para completar o mesmo percurso”, afirmou ele à ANBA.

Oliveira: contêineres sofrem transbordo

O gerente de projetos e desenvolvimento de negócios da empresa de agenciamento marítimo portuário Unimar, Pedro Oliveira, relata que as cargas brasileiras a granel que vão aos países árabes do Golfo em geral não passam pelo Canal de Suez, mas trafegam pelo Cabo da Boa Esperança, sul do continente africano, diretamente aos portos de destino e por isso não foram afetadas pelo fechamento do Suez. Já os navios que levam contêineres do Brasil a essa região sofrem transbordos em portos do Mediterrâneo e Norte da Europa, que ficaram congestionados por causa do Suez.

As cargas são colocadas em outros navios pois não há fluxo de ida e volta de contêineres entre Brasil e países árabes que justifique linhas diretas. O Brasil exportou no ano passado 188 mil contêineres de 20 pés (TEUs) ao mercado árabe e trouxe de volta, na importação, 24 mil TEUs, segundo Oliveira.

Apesar os reflexos do fechamento temporário do Canal de Suez, o executivo da Unimar relata que os armadores não restringiram os embarques de contêineres do Brasil aos países árabes. “Os armadores estão buscando alternativas em serviços que passam pelo Sul da África, Cabo da Boa Esperança, e estão avisando seus clientes que algumas conexões podem atrasar pelo menos uma semana”, afirma.

Reflexos

Teles: Suez é rota mais curta para alguns países

Quando o Canal de Suez foi liberado, eram mais de 400 os navios que aguardavam para passar pela via. Pedro Oliveira acredita que os atrasos nas entregas, causados pelo fechamento do canal, podem afetar as licenças de importação em produtos mais sensíveis a prazos e que o cenário poderá também impactar os custos dos navios, com aumento nos preços do serviço, além da disponibilidade de contêineres.

Cesar Simas Teles vê  reflexos na venda de carnes do Brasil. “A venda de carnes para os países árabes pode ser impactada pelo atraso dos navios, pelo aumento do preço do frete e principalmente pela dificuldade em se obter contêineres refrigerados. Como a disponibilidade mundial de contêineres refrigerados já havia sido impactada pelos efeitos da pandemia de covid-19, o fechamento do Canal de Suez pode agravar essa situação”, diz o adido agrícola.

Leia mais sobre o Canal de Suez e o Egito:

Todos são unânimes em dizer que as principais mercadorias que o Brasil exporta para os países árabes têm prazo longo e por isso não deve ocorrer perda de produtos dentro dos navios. As carnes congeladas, se mantidas em refrigeração, têm validade superior a três meses. “Neste aspecto, o governo egípcio demonstrou bastante preocupação com as cargas de animais vivos, houve mobilização de equipes de veterinários e fornecimento de forragem para navios que ficaram retidos devido ao fechamento do canal”, relata o adido Teles.

Pelo Canal de Suez passa cerca de 12% do comércio global, o que significa mais de 1 bilhão de toneladas em produtos ao ano, US$ 1 trilhão em valor. O canal é rota marítima mais curta entre a Europa e a Ásia. O secretário-geral da Câmara Árabe lembra que, além disso, o Suez é uma importante fonte de receita para o Egito. “Se a crise se prolongasse poderia afetar a economia do país”, afirma Mansour. O canal gerou US$ 5,6 bilhões em receitas ao pais árabe em 2020.

Tarek Wajeh//AFP
Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe
Reprodução/Zoom
Reprodução

Publicações relacionadas