Recuperados da covid-19 poderão participar do Hajj

Governo saudita abriu inscrições para residentes estrangeiros participarem da peregrinação religiosa, que ocorrerá no final de julho. Entre os sauditas, serão selecionados para fazer o Hajj profissionais médicos e seguranças recuperados do coronavírus.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – A Arábia Saudita abriu as inscrições para que estrangeiros residentes no país participem do Hajj, a peregrinação religiosa dos muçulmanos a Meca, cidade sagrada do Islã. Entre os sauditas, a participação será de médicos e seguranças que se recuperaram da covid-19. O objetivo é valorizar o papel desses profissionais durante a pandemia.

De acordo com notícia publicada no site Arab News com base em informações do Ministério do Hajj e Umrah, os estrangeiros que vivem na Arábia Saudita representarão 70% dos peregrinos neste ano. As inscrições dos residentes estrangeiros podem ser feitas por site indicado pelo governo a partir desta segunda-feira (06).

Os cidadãos sauditas representarão os 30% restantes dos peregrinos, com o ritual restrito a profissionais médicos e seguranças que se recuperaram do vírus, segundo o Ministério do Hajj e Umrah. Os participantes serão selecionados por meio de um banco de dados de pessoas recuperadas da doença do coronavírus, de acordo com informações do Arab News.

Neste ano, em função da pandemia do coronavírus, não será permitido que pessoas vindas de outros países participem do Hajj. Ele foi limitado aos moradores para evitar aglomeração e a propagação da covid-19. A data prevista do Hajj é de 28 de julho a 02 de agosto.

Fazer o hajj é o último dos cinco pilares do islamismo e é obrigatório a todos os muçulmanos, uma vez na vida, desde que tenham meios econômicos e saúde para realizar a peregrinação. O Hajj costuma reunir milhões de muçulmanos vindos de várias partes do mundo em Meca. É preciso ser muçulmano para peregrinar. No ano passado, 2,5 milhões de pessoas participaram (foto acima).

Ashrak Amra/AFP

Publicações relacionadas