Residência musical no Egito tem inscrições abertas

Projeto The Nomad Curator seleciona músicos, produtores e DJs para experiência no país árabe. Tema será diálogo entre música brasileira e egípcia.

Isaura Daniel
isaura.daniel@anba.com.br

São Paulo – Profissionais da área de música interessados em fazer residência artística musical no Egito podem se inscrever até o dia 25 de junho. A iniciativa é do projeto The Nomad Curator, levado adiante por uma brasileira, a educadora e curadora Sheila Zago, e tem por objetivo promover curadorias, pesquisa e desenvolvimento de projetos em arte pelo mundo.

Sheila mora no Cairo, capital egípcia, onde a residência vai ocorrer entre julho e agosto. As inscrições estão abertas para músicos ou outros profissionais do segmento, como DJs e produtores, de qualquer parte do mundo, não só do Brasil ou Egito. O tema da residência é o diálogo entre a música brasileira e a egípcia. Sheila Zago explica que os músicos devem enviar propostas relacionadas a pesquisas de interesse deles, mas focadas neste assunto.

Entre os tipos de projetos que podem ser enviados, Sheila cita algum trabalho conceitual baseado nas músicas egípcia e brasileira de artista de som, uma proposta de batida para música egípcia de um percussionista ou a preparação de um set list por um DJ.  Os projetos do The Nomad Curator normalmente culminam em uma exposição artística, performance ou instalação, e neste último caso, do DJ, o set list pode ser repercutido internacionalmente.

A residência  durará de quatro a oito semanas, segundo a proposta do músico. Serão selecionadas até duas pessoas. Além das atividades que cada pesquisa exigir, haverá uma agenda geral, com encontros com músicos locais e ida a concertos e espetáculos. “Para que as pessoas tenham um entendimento da música daqui, até mesmo da música mais de gueto, que é mais popular, muito próxima em batida e conceito do nosso funk brasileiro”, explica Sheila.

A brasileira fará a curadoria e, portanto, acompanhará e assessorará as pesquisas dos selecionados. Ela também dará aos participantes acesso a contatos locais da área de música e está aberta à possibilidade de que eles ouçam outros curadores. Dependendo do teor da proposta, haverá mesmo outros curadores envolvidos, segundo a brasileira.

Sheila já fez outra chamada para residência e curadoria no Egito pelo The Nomad Curator, mas era focada em artes em geral. O primeiro projeto está em andamento e tem uma fotógrafa e uma escultora participando. “Essa (a musical) é uma área de interesse pessoal há muito tempo. A música brasileira dialoga com as pessoas de diferentes países, ela tem bastante alcance e a ideia agora é entendermos os espaços de ligação e conexão entre as músicas brasileira e árabe, começando pelo Egito e migrando para outros países em uma segunda etapa”, explica.

Sheila Zago conta que não há diferenciação de nacionalidade para a seleção e é possível que artistas locais se inscrevam e que brasileiros participem à distância. “Eu adoraria contar com a participação de mais brasileiros no projeto, especialmente brasileiros que estão na região. Além de terem um entendimento sócio cultural mais claro da região, eles estão mais próximos”, diz, citando brasileiros que moram no Líbano, Síria, Egito e arredores.

A atual edição do The Nomad Curator não tem patrocínio e, portanto, ficará a cargo do músico selecionado despesas com passagem aérea, hospedagem e outros gastos no Egito. A curadoria de Sheila Zago, além de toda a disponibilização de contatos locais, é gratuita. Também haverá um estúdio à disposição do artista, e os encontros e trabalho de criação e pesquisa ocorrerão na base do The Nomad Curator. Se for proposto trabalho em outra cidade do Egito, as possibilidades serão avaliadas de forma conjunta pela curadora e pelo músico, segundo Sheila.

Sheila Zago está no Egito desde fevereiro deste ano. Ela é formada em Comunicação Social e tem mestrado em Museologia, Curadoria e Exposições pelo Museum and Gallery Practice na University College London (UCL).  Com mais de dez anos de experiência como produtora de cinema e diretora de arte, a brasileira estuda, pesquisa, faz curadoria e desenvolve seus projetos de arte e trabalho social pelo mundo. Sheila já passou por cerca de dez países, entre eles os árabes Catar, Emirados, Líbano e Síria. É Sheila também a fundadora do coletivo de arte Conexus Project, que tem como objetivo unir as pessoas por meio da arte com a promoção de projetos nas áreas artística e de educação.

The Nomad Curator tem apoio do Conexus Project, da plataforma Wooloo e do The Human Hotel.

Contato:

The Nomad Curator
thenomadcurator@gmail.com

Fayed El-Geziry/NurPhoto/AFP

Publicações relacionadas