Tráfego aéreo no Marrocos bateu recorde em junho

Aeroportos do país receberam 2,1 milhões de passageiros, um aumento de 26,5% sobre o mesmo mês do ano passado.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – Com 2,1 milhões de passageiros, o tráfego nos aeroportos do Marrocos em junho foi recorde para o período, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (15) pelo Departamento Nacional de Aeroportos do país (Onda, na sigla em francês). Houve um aumento de 26,5% em comparação com o mesmo mês do ano passado.

O Aeroporto Mohammed V, em Casablanca, o mais movimentado do Marrocos, recebeu 877,6 mil passageiros em junho, um crescimento de 22,8% na mesma comparação. De acordo com o Onda, a maioria dos terminais aéreos do país registrou alta de dois dígitos no volume de passageiros no período.

O número de passageiros internacionais avançou 23,76%, para 1,85 milhão. Já o total transportado em voos domésticos foi de 244,4 mil pessoas, um aumento de 53%.

No caso dos voos internacionais, houve crescimento no número de viajantes da maioria dos mercados emissores, segundo o Onda. A América do Norte foi o mercado que mais avançou (37%), em função da criação de novas rotas para os Estados Unidos. A Europa cresceu 24,7%, o Oriente Médio 17,6% e a África 16,6%. Entre os países do Magreb, o tráfego evoluiu 28,6%. O bloco é formado por Marrocos, Tunísia, Argélia, Mauritânia e Líbia.

Em termos absolutos, porém, a Europa segue de longe como principal mercado, com 1,43 milhão de viajantes em junho. A América do Sul está na sexta posição, com 11,4 mil passageiros transportados em junho, um recuo de 7,8% sobre o mesmo mês do ano passado. A companhia área marroquina Royal Air Maroc (foto) opera voos diretos ao Brasil.

As cinco rotas mais movimentadas no mês passado foram as de Casablanca a Orly, em Paris; de Casablanca a Charles de Gaulle, também em Paris; de Marrakech a Orly; de Marrakech a Madri, na Espanha; e de Casablanca a Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

A movimentação de aviões no país chegou 17,8 mil pousos e decolagens, um crescimento de 20% em relação a junho de 2018. O frete avançou 4% na mesma comparação, para 7,4 mil toneladas.

Nicolas Economou/NurPhoto/AFP

Publicações relacionadas