Arábia Saudita investirá US$ 20 bi em produção de petróleo

O objetivo do investimento ao longo dos próximos anos é de manter e até expandir a capacidade de produção de petróleo do país.

Da Redação
anba@anba.com.br

São Paulo – A Arábia Saudita anunciou nesta quinta-feira (05) que irá investir US$ 20 bilhões nos próximos anos para manter e quem sabe até expandir sua capacidade de produção de petróleo, conforme disse o ministro da Energia do país, Khalid al-Falih. A informação é do site Gulf Business.

A Arábia Saudita é o único produtor de petróleo com significativa capacidade ociosa disponível para abastecer o mercado, quando e se necessário. Atualmente, a capacidade de produção é de 12 milhões de barris por dia, sendo que em outubro estão sedo produzidos 10,7 milhões de barris diários em média. Falih informou que o país ainda não decidiu se quer elevar sua capacidade para 13 milhões de barris por dia ou mantê-la nos níveis atuais.

O ministro pediu repetidamente a outros produtores de petróleo que invistam no aumento da capacidade de produção para evitar o choque de oferta e o aumento dos preços do petróleo. “Esta capacidade ociosa não é apenas um reservatório natural que temos. A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e a Opep+ optaram por investir para manter a capacidade [de produção] de petróleo num curto espaço de tempo”, disse Falih em evento da indústria de energia em Moscou. Opep+ é o grupo de países produtores de petróleo que fizeram uma acordo para reduzir a produção no ano passado, e inclui membros e não membros da organização.

“O próximo 1 milhão de barris por dia da capacidade da Arábia Saudita vai nos custar mais de US$ 20 bilhões. São US$ 2 bilhões por ano em despesas operacionais para constituir a equipe e manter essas instalações”, explicou o ministro. O mercado de petróleo tem observado de perto o que a Arábia Saudita fará para acalmar as preocupações sobre o abastecimento que contribuíram para uma alta nos preços, que chegaram a mais de US$ 86 por barril esta semana.

A Saudi Aramco, companhia petrolífera estatal saudita e a maior companhia do ramo do mundo, informou que planeja gastar cerca de US$ 300 bilhões ao longo de 10 anos em projetos na indústria de petróleo e gás. O investimento em projetos de expansão da capacidade petrolífera é crucial para ajudar a Arábia Saudita a manter sua capacidade ociosa e ajudar a reduzir a pressão sobre os campos maduros.

A Aramco adicionará uma nova capacidade de produção de petróleo bruto de cerca de 550 mil barris por dia no quarto trimestre, por meio de dois campos de produção, Khurais e Manifa, dando à companhia a possibilidade de aumentar a produção quando necessário.

A produção adicional não elevará a capacidade da Aramco acima dos atuais 12 milhões de barris ao dia, mas dará à companhia mais flexibilidade para aumentar a oferta e alcançar níveis mais altos de produção mais rapidamente. O maior país exportador de petróleo do mundo planeja produzir um pouco mais que a quantidade atual em novembro, de acordo com Falih, refletindo um aumento esperado na demanda diante da imposição de sanções dos Estados Unidos ao Irã, terceiro maior produtor da Opep.

Isso deixa a Arábia Saudita com um excedente de produção de 1,3 milhão de barris por dia se houver uma súbita queda na oferta. “Alguns países na Ásia solicitaram mais barris do que nos contratos. Como resultado, as exportações excederão o cronograma de carregamento em 7,7 milhões de barris ao dia, o que é um número muito alto”, disse Falih.

O ministro espera retomar a produção de petróleo da Zona Neutra, que a Arábia Saudita compartilha com o Kuwait, depois de resolver as questões pendentes entre os dois aliados da Opep no Golfo.

O príncipe-herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed Bin Salman, viajou para o Kuwait no último domingo para discutir a retomada da produção de petróleo da Zona Neutra, de acordo com uma fonte da Reuters. A retomada dos campos de petróleo da Zona Neutra poderia adicionar até 500 mil barris por dia na capacidade de produção de petróleo para cada um dos dois países.

Divulgação/Saudi Aramco

Publicações relacionadas