Ministro libanês aposta na diáspora para ampliar comércio

Nascido em São Paulo, ministro de Estado para o Comércio Exterior do Líbano, Hassan Mourad, acredita no peso da comunidade de imigrantes e descendentes para fomentar acordos e negócios com o Brasil. Ele visitou a Câmara Árabe nesta terça-feira.

Alexandre Rocha
alexandre.rocha@anba.com.br

São Paulo – O ministro de Estado para o Comércio Exterior do Líbano, Hassan Mourad, veio ao Brasil para uma série de encontros com autoridades, lideranças empresariais e representantes da comunidade de origem libanesa. “O objetivo da visita é negociar o acordo de livre-comércio do Líbano com o Mercosul e tentar fazer outros acordos comerciais bilaterais com o Brasil”, disse ele à ANBA, após reunião com a diretoria da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em São Paulo, nesta terça-feira (07).

O país árabe e o bloco sul-americano negociam um tratado de comércio desde 2014, mas ele ainda não foi assinado. Mourad não quis fazer uma previsão de prazo para o fim das negociações, mas contou que programou a viagem para dois meses antes do Brasil assumir a presidência rotativa do Mercosul, o que vai ocorrer na reunião de cúpula do grupo em Santa Fé, na Argentina, programada para julho.

Mourad: autoridades brasileiras apoiam cooperação

“Todas as autoridades brasileiras com quem eu conversei confirmam que vão dar apoio ao Líbano”, afirmou Mourad. Na segunda-feira (06), por exemplo, ele se reuniu com o vice-presidente Hamilton Mourão, em Brasília.

O ministro aposta na força da comunidade de origem libanesa no Brasil para fortalecer os negócios entre os dois países. “Nós viemos ao Brasil também para ligar os empresários brasileiros e libaneses”, declarou.

Ele próprio faz parte desta diáspora. Mourad nasceu em São Paulo, em 1976, filho de libaneses naturalizados brasileiros. Em 1980, a família se mudou para o Líbano, mas o ministro – que fala português – contou que costuma visitar o Brasil duas vezes por ano. O vice-presidente Administrativo da Câmara Árabe, Mohamed Orra Mourad, que estava na reunião, é seu primo.

“Como há uma comunidade libanesa aqui no Brasil, existe uma comunidade brasileira no Líbano”, destacou. “Quibe e esfiha são comidas brasileiras, e coxinha e brigadeiro são iguarias libanesas”, brincou, referindo-se à popularidade dos quitutes típicos de um país no outro.

Mesmo sem o acordo firmado, o ministro acredita ser possível impulsionar os negócios bilaterais por meio da diáspora. “Nossa pretensão é abrir mercado no Brasil para produtos libaneses, especialmente para a comunidade de origem libanesa e árabe em geral”, ressaltou.

Nesse sentido, no último final de semana, o governo libanês promoveu uma feira de produtos alimentícios do país árabe no Clube Atlético Monte Líbano, na capital paulista. Além disso, duas empresas do Líbano – a Cortas Food e a MSallem – estão expondo seus produtos no pavilhão da Câmara Árabe na Apas Show, feira do setor supermercadista que ocorre esta semana em São Paulo.

Mourad ressaltou que quer o apoio da Câmara Árabe na promoção dos negócios. “Eu aposto muito no trabalho entre nós, eu, como ministro do Comércio, e a Câmara Árabe”, afirmou.

Iniciativas

Fernanda Baltazar apresentou dados da Câmara e do comércio bilateral

O presidente da Câmara Árabe, Rubens Hannun, destacou que a entidade tem feito nos últimos anos inciativas para ampliar os negócios bilaterais. “Isso está dando resultado, a balança comercial tende a crescer e há muito potencial”, observou.

As exportações do Brasil ao Líbano somaram US$ 270 milhões no ano passado, um aumento de 2,5% sobre 2017. Na outra mão, as importações totalizaram US$ 27,5 milhões, um crescimento de 41% na mesma comparação.

A executiva de negócios internacionais da Câmara Árabe, Fernanda Baltazar, comentou, porém, que a pauta ainda é muito concentrada em carnes, café e gado vivo, do lado das vendas brasileiras, e em fertilizantes, do lado dos embarques libaneses.

“O Brasil consome produtos árabes e quer consumir produtos árabes de maior valor agregado. Além da comunidade de origem árabe no País, há uma grande simpatia dos brasileiros pelos árabes”, observou Hannun.

Hannun anunciou missão da Câmara Árabe ao Líbano em setembro

Ele acrescentou que a Câmara Árabe pretende organizar uma missão comercial brasileira ao Líbano em setembro para prospectar negócios, principalmente na área de infraestrutura. O ministro revelou que uma empresa brasileira está construindo atualmente a maior barragem do Líbano.

Mourad disse que o Líbano está desenvolvendo zonas econômicas especiais para atrair investimentos estrangeiros e que o país serve de entrada para outros mercados, como Síria, Jordânia e Iraque.

O cônsul do Líbano em São Paulo, Rudy El Azzi, que acompanhou o ministro na Câmara Árabe, destacou que está sendo avaliada a participação do país com um estande próprio na Apas Show de 2020.

Cônsul revelou projeto de cooperativa de importação de produtos libaneses

Azzi acrescentou que será apresentado um projeto de criação de uma cooperativa para importação de produtos libaneses no Brasil, na conferência Energia da Diáspora Libanesa, que será realizada no próximo mês, em Beirute. A ideia é gerar escala para que as mercadorias cheguem mais em conta ao mercado brasileiro.

“Será como um shopping libanês completo em São Paulo, uma feira de produtos e um espaço cultural 365 dias por ano”, declarou o cônsul. Para tanto, a inciativa espera contar com incentivos do governo libanês e a participação de investidores do Líbano e da diáspora.

Rodrigo Rodriguês/Câmara Árabe
Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe
Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe
Rodrigo Rodrigues/Câmara Árabe

Publicações relacionadas