Bisneta de libaneses traz influência árabe para maquiagens

Com 12 anos de carreira e passagens por marcas como MAC e São Paulo Fashion Week, a maquiadora Karina Saib conta sobre a influência da família árabe em seu trabalho.

Thais Sousa
tsousa@anba.com.br

São Paulo – Para onde vai, seja nas seis participações no São Paulo Fashion Week, ou nas passagens por Londres, Dublin, Roma, Paris e Copenhage para ministrar aulas de automaquiagem, Karina Saib mostra a influência de sua família. Os bisavós da maquiadora vieram para o Brasil em 1920, eram de Beirute, no Líbano. “Com certeza todas as minhas maquiagens de olhos marcados têm influência da maquiagem árabe. As pessoas falam que dá para ver que fui eu quem fiz, porque tem algo de misterioso. Acho que esse olho [marcado] traz isso”, contou ela em entrevista à ANBA.

Formada em Moda, Saib, cuja grafia original é Sahib, começou a se interessar por esse setor por causa do ambiente familiar e da relação das mulheres ali. “A maquiagem eu via em casa, minha avó de unha vermelha, olho preto, perfumada, e minha mãe sempre clássica, mas sempre com o olho marcado e o batom vermelho. A feminilidade é muito presente no [universo] árabe. Isso me influenciou por completo. Você vê aquilo e quer ser assim”, declarou ela.

Karina conta que quando começou não tinha nenhuma referência de maquiadora profissional, mas sabia que queria trabalhar na área de beleza. “Eu já olhava para as pessoas e pensava como elas podiam ficar tão mais bonitas com cílios pretos, batom. Tive um namorado de origem árabe que também foi muito importante, porque na família dele as mulheres era todas maquiadas e ele foi um dos meus maiores incentivadores para trabalhar com isso”, revelou.

Bisneta de libaneses traz olhos marcados como raiz árabe para makes

Karina com a maquiagem que aprendeu a fazer vendo sua mãe e avó

Enquanto cursava a faculdade de Moda, Karina começou a trabalhar na marca MAC Cosméticos. “À tarde eu ia atrás dos maquiadores só para assisti-los. Em um ano eu me tornei especialista de produtos, que é como se fosse um ‘Phd’ em pele. Você entende de todos os produtos, estuda um livro de composições. Aprende a lidar com a textura e faz qualquer tipo de pele. A faculdade real para mim foi este trabalho”, relembrou.

Além de acompanhar os profissionais mais experientes, foi na escola Khan Al Kalili, tradicional casa de dança árabe, que ela passou a expressar sua ancestralidade. “Eu fiz mais de dez anos de aulas de dança do ventre na Kalili. E tive a oportunidade de maquiar muitas dançarinas, que criaram uma habilidade de automaquiagem incrível”, contou ela, que também fazia maquiagens para as apresentações e teatros de um grupo da igreja cristã árabe onde foi criada. “Muitas pessoas veem os árabes como uma coisa só, mas a minha família, por exemplo, é cristã, e isso ainda surpreende. Tenho muito orgulho da minha origem árabe, porque vem tanto do meu pai quanto da minha mãe”, contou.

Com 12 anos de carreira, a profissional hoje atende personalidades como a atriz Samara Felippo e a jornalista Mariana Godoy. Karina tem, ainda, um canal no Youtube, onde está preparando um vídeo com o passo a passo da maquiagem árabe, que considera ideal para qualquer ocasião. O processo é rico em cores, desde sombras vermelha e preta, passando os iluminadores rosado e dourado e chegando ao delineador preto que ajuda a reforçar a característica árabe do olhar marcante.

Além de atuar com consultoria de imagem e dermopigmentação, Karina ministra cursos para diversos níveis, incluindo automaquiagem. Embora ainda não tenha feito nenhum deles voltado especificamente para as técnicas da maquiagem árabe, Karina decidiu agora falar dessa vertente para valorizar sua ancestralidade. “É a minha origem, e quis fazer essa homenagem para mostrar aquele tipo de maquiagem que é sempre atual para o mundo árabe”, pontuou ela.

Daqui para frente, ela pretende continuar a criar e ministrar cursos e seguir exaltando suas origens árabes. “Eu bato muito na tecla da essência das pessoas. Meus cursos de automaquiagem são sobre autoconhecimento. Acho que para se maquiar você tem que se conhecer. E busco nos cursos e nos vídeos mostrar que todo mundo tem a sua própria essência”, concluiu Karina.

Divulgação
Divulgação

Publicações relacionadas